Seja otimista, a história prova que não existe outro caminho

Li recentemente o livro Abundância: o futuro é melhor do que você imagina, dos autores Peter Diamandis e Steven Kotler.

Se olharmos para a história recente, podemos citar, por exemplo, Henry Ford, o primeiro empresário a criar a linha de montagem, um processo que revolucionou a fabricação de automóveis no começo do século passado.

Traçando um paralelo, o empresário norte-americano que faleceu em 1947 e construiu um império, tornando-se um dos homens mais ricos do planeta, tinha acesso a menos recursos do que 99,5 % dos americanos que vivem hoje em dia.

Quando falamos em abundância de recursos, nos referimos a uma vida de possibilidades, que passa primeiro pela sobrevivência básica (acesso à moradia, água e comida) e por três áreas primordiais para o desenvolvimento humano: energia, educação e comunicação.

Sabiam que hoje em dia um garoto de 12 anos de idade tem acesso a mais informação do que o presidente americano tinha há 20 anos?

Em cem anos (1900-2000), a expectativa de vida nos EUA aumentou em 60%. Os antibióticos reduziram as chances de morte por infecções. Medidas de saúde pública determinaram padrões para a água potável e o ar respirável, além dos nossos lixos serem removidos rapidamente.

Estatisticamente, o mundo nunca esteve tão seguro e a vida tão próspera. Estamos vivendo mais tempo e com menos sobressaltos. Por que então seguimos com uma visão tão pessimista das coisas? Talvez por autodefesa aguçada pelo nosso instinto de sobrevivência, o ser humano tende a priorizar as tragédias, ignorando a evolução da história da humanidade.

Nos próximos anos, com tanta abundância de informação, tecnologia e capitais, teremos uma elevada competição entre empresários, o que reduzirá os preços e aumentará a oferta de produtos e serviços. Esse cenário possibilitará que as pessoas tenham cada vez mais qualidade de vida e as desigualdades básicas, sejam cada vez menores.

Seja otimista, o futuro te convencerá que não existe outro caminho.

Autor: Guilherme Benchimol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *